16 de dezembro de 2015

A NVI Brasileira e a NIV Anglófona

Por incrível que pareça fizeram um trabalho melhor na tradução da Nova Versão Internacional no Brasil que na tradução inglesa New International Version (2011), no que diz respeito ao NT especificamente.

A despeito de a comissão tradutora brasileira não contar com um time tão grande de eruditos quanto a comissão anglófona, os brasileiros, a meu ver, se saíram melhor. A versão inglesa frequentemente extrapola no uso da equivalência funcional. É certo que a leitura ficou leve e soa natural para um falante da língua inglesa, o problema é que o texto grego base do NT já tem dois milênios de idade e, portanto, possui uma gama de perícopes cuja tradução não pode se distanciar muito da literal, porque nesses casos o sentido original não encontra um equivalente linguístico moderno. De modo que muitas vezes a NIV emprega uma tradução que só poderia ser considerada uma conjectura do sentido original, porque não dispomos de segurança suficiente em adotá-la. E realmente não creio que os tradutores têm essa certeza. Por isso, a NIV anglófona acabou próxima de ser uma paráfrase em muitos pontos.

Já a NVI brasileira é mais contida no emprego da tradução funcional. Poucos são os textos em que ela vai além do que poderia ser traduzido com segurança. Ao menos na parte do NT, ela chegou mais ou menos perto do ponto ideal — na minha humilde opinião.

4 de dezembro de 2015

Muitos pensam que bastaria eleger "bons" governantes que a corrupção acabaria e a economia cresceria significativamente. Eu também pensava assim. O problema é que todos os governos do mundo tendem à corrupção e à burocracia. Não existem governos "iluminados". Se, no entanto, o tamanho governamental for reduzido ao mínimo possível, mínima será a corrupção.

Quanto mais atribuições tiver o governo, maiores são os impostos e maior é a corrupção. É um círculo vicioso. O resultado é sempre o mesmo: o fruto do trabalho suado do povo termina nas mãos de políticos (como o que se deu na Petrobrás recentemente) e daqueles que fazem conchavo com o governo (como Odebrecht, Camargo Correa, banqueiros, etc.). Isso ocorre em todo lugar — mesmo nos países ricos.

Não existe mágica governamental. Para satisfazer o apetite dos políticos, eles terão que produzir inflação e elevar os impostos. Essa conta sempre aparece mais cedo ou mais tarde, e quem vai pagar não é FHC, Lula, Dilma, Aécio, nem os ricos empreiteiros e nem os banqueiros Daniel Dantas e André Esteves. Quem paga a conta é o povo — quando comprar o arroz e o feijão de cada dia. Ao invés de resolver os problemas, os governos só empobrecem o povo. Ao invés de criar riqueza, eles tomam do povo e entregam aos ricos.

É bobagem acreditar no governo (independente de quem esteja no poder). O que precisamos é defender uma limitação do poder governamental a apenas as funções judicial, consular e de segurança.

P.S. Se você tomou um choque cultural com essas ideias, saiba que eu também tomei quando tive contato com o Libertarianismo.

23 de novembro de 2015

Proposta de Tradução de Filipenses 2.5-8

Tenham em vocês a mesma mentalidade de Cristo Jesus, que, subsistindo em forma[1] de Deus, não ambicionou se prevalecer[2] do fato de ser igual a Deus[3]. Em vez disso, esvaziou a si mesmo, assumindo a forma[1] de servo, se tornando em semelhança[4] de homem, e, sendo encontrado em figura[5] humana, humilhou a si mesmo, se tornando obediente até a morte, e ainda morte de cruz.

— Paulo, apóstolo, em Filipenses 2.5-8.

[1] Do grego morphé: forma, formato, configuração: espera-se que um filho tenha morphén semelhante ao dos pais (Cf. Thayer's Greek Lexicon); p.ext. natureza.

[2] Do grego harpagmos: algo usado ou a usar em vantagem própria; objeto desejado ilegitimamente; espoliar (esp. por uso da força); algo pilhado ou a ser pilhado.

[3] Lit. não reputou o ser igual a Deus algo-a-espoliar.

[4] Do grego homoióma: forma em sentido comprativo, forma igual a, imagem como de.

[5] Do grego schéma: forma exterior; aspecto.

12 de novembro de 2015


Descobri uma coisa legal sobre o Google Drive (aplicativo de desktop), ele foi escrito em Python (veja aqui).


Suspeitei disso depois que casualmente recebi a seguinte mensagem dele: 'NoneType' object has no attribute 'close'. Me soou familiar, parecia uma mensagem típica de Python. Fui pesquisar na internet e confirmei, está em Python mesmo, a maior parte aparentemente.

10 de novembro de 2015

Semipresidencialismo brasiliano

O presidente poderia ser eleito por votação direta e o chanceler eleito pelo parlamento. O presidente seria o chefe de estado (responsável pelas relações internacionais e pelo comando das forças armadas), e o chanceler, chefe de governo.

A vantagem do parlamentarismo é que atenua o problema do financiamento das campanhas eleitorais, desatando parte do comprometimento escuso que fazem os chefes do executivo com aqueles que fazem doações eleitorais. Outra vantagem é que o chanceler deteria maioria no parlamento, facilitando as reformas e minorando a política de trocas espúrias entre executivo e legislativo.

9 de novembro de 2015

Na evolução das ideias da sociedade entendeu-se que o governo deveria ser tratado como poder público, uma vez que o poder governamental deveria se sujeitar ao "público", isto é, ao povo, a fim de impedir abusos dos governantes. Entretanto, a noção hoje deveria se elevar a outro patamar: conceber o governo como sendo de fato governo, pois embora esteja sujeito a um sistema democrático, ele não se presta a produzir riqueza para o povo.

26 de outubro de 2015

Os políticos com maior poder de arruinar um país são aqueles cheios de ideologias, convicções e atitudes enérgicas. Nações levam décadas para prosperar, mas basta um governo cheio de homens convictos para esculhambar o ambiente de negócios, espantar empreendedores, levar a inflação às alturas e espalhar a miséria.

— Leandro Narloch

18 de agosto de 2015

Cante ao Som dos Instrumentos em Louvor a Deus

Jesus chegou com os Doze (...). Depois de terem cantado um hino, saíram para o monte das Oliveiras. Marcos 14.17,26.

Por volta da meia-noite, Paulo e Silas estavam orando e cantando hinos a Deus; os outros presos os ouviam. Atos 16.25.

A fim de que os gentios glorifiquem a Deus por sua misericórdia, como está escrito: "Por isso, eu te louvarei entre os gentios; Cantarei louvores ao teu nome". E também diz: "Cantem de alegria, ó gentios, com o povo dele". E mais: "Louvem o Senhor, todos vocês, gentios; cantem louvores a ele todos os povos". Romanos 15.9-11.

Então, que farei? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento. 1 Coríntios 14.15.

Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor. Efésios 5.18,19.

Cantem salmos, hinos e cânticos espirituais com gratidão a Deus em seus corações. Colossenses 3.16b.

Entre vocês há alguém que está sofrendo? Que ele ore. Há alguém que se sente feliz? Que ele cante louvores. Tiago 5.13.

E cantavam em alta voz: "Digno é o Cordeiro que foi morto de receber poder, riqueza, sabedoria, força, honra, glória e louvor! " Apocalipse 5.12.

E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro: "Grandes e maravilhosas são as tuas obras, Senhor Deus todo-poderoso. Justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei das nações. Apocalipse 15.3.

Louvem o Senhor com harpa; ofereçam-lhe música com lira de dez cordas. Salmos 33.2.

Ofereçam música a Deus, cantem louvores! Ofereçam música ao nosso Rei, cantem louvores! Salmos 47.6

Meu coração está firme, ó Deus, meu coração está firme; cantarei ao som de instrumentos! Salmos 57.7.

Cantem louvores ao seu glorioso nome; louvem-no gloriosamente! Salmos 66.2.

Como é bom render graças ao Senhor e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo, anunciar de manhã o teu amor leal e de noite a tua fidelidade, ao som da lira de dez cordas e da cítara, e da melodia da harpa. Tu me alegras, Senhor, com os teus feitos; as obras das tuas mãos levam-me a cantar de alegria. Salmos 92.1-4.

Cantarei ao Senhor toda a minha vida; louvarei ao meu Deus enquanto eu viver. Salmos 104.33.

Cantarei uma nova canção a ti, ó Deus; tocarei para ti a lira de dez cordas. Salmos 144.9.

Cantem ao Senhor com ações de graças; ao som da harpa façam música para o nosso Deus. Salmos 147.7.

Louvem-no ao som de trombeta, louvem-no com a lira e a harpa. Salmos 150.3.

10 de agosto de 2015

Há um texto das Escrituras pouco conhecido que amo muito:

Mas eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim.
 Jesus, registrado em João 12.32.

Amém, Senhor Jesus. Sei que você já tinha ciência disso porque seu Pai já havia revelado a você. Que todos os povos, línguas e nações sejam atraídos à Cruz de Cristo.

25 de julho de 2015

Algo interessante que aprendemos sobre Jesus, ele não costumava realizar milagres para os incrédulos, mas para os que já estavam crendo nele.

23 de julho de 2015

Que falta me faz o Espírito Santo. Tanta que nem chego a compreender o quanto dele me falta. Minha súplica ao Senhor é a mesma de Davi: "Não me expulse da sua presença, nem tire de mim o seu Santo Espírito" (Sl 51.11).

2 de julho de 2015

Nesta crise, o governo não é a solução para os nossos problemas, o governo é o problema.

— Ronald Reagan, no discurso de posse dele, janeiro de 1981.

(Não que eu concorde inteiramente, mas é algo a se pensar).

16 de junho de 2015

Considerações Sobre a Revelação do Eu-Sou a Moisés

Na ocasião em que Moisés vê uma sarça (espécie de planta) em chamas mas sem se consumir, Deus se apresenta a Moisés com a expressão que caracterizaria a si próprio: “Eu sou o Deus de seu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, o Deus de Jacó” (Êxodo 3.6). Em seguida, dá uma missão a Moisés, enfrentar o poderoso faraó do Egito e libertar os israelitas. Moisés, entretanto, manifesta certa resistência em assumir a incumbência, então questiona: “[se] eles me perguntarem: Qual é o nome dele? O que vou dizer a eles?". Ao que a resposta foi: “Eu sou o que sou. É isto que você vai dizer aos israelitas: Eu Sou me enviou a vocês”.

Comentando a expressão "Eu sou" no hebraico, o estudioso Russell Shedd explica:
Este verbo, numa forma que produz o passado, presente, o presente e futuro ao mesmo tempo, dá o nome transliterado Yahweh. (1998, p. 76).
Isso poderia ser mera casualidade gramatical, não fosse o fato de que mais tarde Deus, na pessoa de Jesus, declara: "Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, que era e que há de vir, o Todo-poderoso" (Apocalipse 1.8). Confirma que ao ter dito Eu sou, com tempo verbal infindo, inseriu na própria identidade a noção de eternidade, dando pistas reveladoras de que ele não estava sujeito ao tempo, pois ele era no passado, ele é no presente e há de ser no futuro.

Vale mencionar que o Senhor Jesus se identifica como sendo o próprio Eu-Sou (Yawé) que se manifestou a Moisés: “Bem verdadeiramente digo a vocês, antes de Abraão nascer, Eu Sou” (João 8.58).

8 de junho de 2015

Por que as leis da física são da maneira como são? O que determina o acaso?

2 de junho de 2015

Isaías foi literal quando disse:

Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças. (53.4a).

Pois:

(...) foram trazidos a ele [Jesus] muitos endemoninhados, e ele expulsou os espíritos com uma palavra e curou todos os doentes. E assim se cumpriu o que fora dito pelo profeta Isaías: "Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e sobre si levou as nossas doenças". (Mateus 8.16,17).

27 de maio de 2015

Não dê ouvidos aos que disserem a você: repita essas palavras em hebraico, use essas vestimentas dos judeus, adote esses ícones israelenses ou faça esses rituais judaicos.

Não são palavras de significado oculto ou ditas em outro idioma que conduzem a Cristo. Nem é o vestir-se como judeu que tornaria alguém mais aceitável a Deus. Tampouco fazer uso de candelabros, taças ou estrelas nos levaria para mais perto do Criador. E muito menos alguém poderia complementar a obra sacrificial de Jesus ao praticar rituais do Antigo Testamento.

6 de maio de 2015

Não há oposição entre conhecimento das Escrituras e fogo do Espírito. Por isso as Sagradas Letras ensinam: "Mas quando o Espírito da verdade vier, ele vai guiar vocês a toda a verdade" (Jo 16.13a).

29 de abril de 2015

De Quem Era o Sangue na Cruz?

[...] para pastorearem a igreja de Deus, que ele comprou com o próprio sangue dele. Atos 20.28.

28 de abril de 2015

Sobre Graça e Desobediência

Embora a salvação de Israel fosse um dom de pura graça e não pudesse ser negociada, ela podia, contudo, ser perdida pela desobediência.

— Paul Hoff, O Pentateuco

17 de abril de 2015

Louvado seja Deus em Cristo.

30 de março de 2015

Calvinismo ou Arminianismo

Este assunto voltou às paradas de sucesso há uns seis anos no Brasil, provavelmente um reflexo do ressurgimento calvinista nos EUA.

Nem um nem outro. A cada dia me convenço mais que ambas doutrinas não explicam completamente os enunciados bíblicos.

27 de março de 2015

Governabilidade jamais justifica roubalheira. Não importa o partido.

11 de março de 2015

Crônicas da Meia-Noite

Era alta noite quando acordei assustado com voz de gente conversando. Dei um salto da cama e corri pra porta para ver quem estava na minha sala. Mas para meu desespero a porta estava trancada. Tentei abrir seguidas vezes, cheguei a machucar o dedo. Nesse meio tempo minha esposa acordou assustada: “O que foi? O que foi?” Eu não respondi nada, meu coração estava disparado e eu não tinha acordado direito. Numa rapidez sobre-humana peguei a chave, destranquei a porta e abri ela com força. Então vi dois homens quase em frente à minha porta. Eles pararam de conversar e olharam perplexos para mim. Foi então que me dei conta: aquilo não era minha casa!

Eu não lembrava exatamente onde estava, mas logo percebi que eu tinha dado mancada. Com a cara amassada e fazendo careta por causa da luz, disse a eles “me perdoem” — notem a formalidade vocabular e a conjugação verbal precisa (de um maníaco esquisitão). Um dos homens me perguntou gentilmente “você achou que estava em outro lugar, né?” — era exatamente como ele disse, mas o meu sistema mental ainda estava terminando a inicialização, eu não estava entendendo com clareza a situação, por isso respondi “é...” enquanto gesticulava alguma coisa confusa. Em seguida, sob o efeito da vergonha e da adrenalina, rapidamente fechei a porta, tranquei e voltei pra cama.

Passados alguns instantes finalmente entendi tudo o que tinha ocorrido: eu estava no quarto do hotel onde eu mesmo havia me hospedado e aqueles homens eram apenas hóspedes no corredor. Comecei a rir sozinho de mim mesmo.


Só consegui voltar a dormir umas três horas depois.

9 de fevereiro de 2015

O Tigre Chinês, Uma Pomba: De Como a China Não Deseja Chamar a Atenção

Michael Pillsbury na obra dele intitulada The Hundred-Year Marathon (A Maratona de Cem Anos). Via Business Insider.

Em 1996, eu fazia parte de uma delegação dos EUA para a China, que incluía Robert Ellsworth, o principal assessor de política externa do candidato republicano à presidência, Robert Dole.

No que parecia ser uma troca franca de pontos de vista com os estudiosos chineses, fomos informados de que a China estava em grave perigo econômico e político — e que um potencial colapso batia fortemente às portas. Estes ilustres estudiosos expuseram sobre os graves problemas ambientais da China, a agitação das minorias étnicas, e a incompetência e a corrupção dos líderes do governo, bem como a incapacidade desses líderes para levar a cabo as reformas necessárias.

Mais tarde soube que os chineses estavam acompanhando nessas visitas supostamente "exclusivas" outros grupos de acadêmicos norte-americanos, líderes empresariais e especialistas em política, onde eles também receberam uma mensagem idêntica sobre o premente declínio da China. Muitos deles então repetiram estas "revelações" em artigos, livros e comentários quando voltaram aos Estados Unidos.

No entanto, o fato concreto é que o já robusto PIB da China está previsto para continuar a crescer pelo menos 7 ou 8 por cento, superando, assim, o dos Estados Unidos no mais tardar em 2018, de acordo com os economistas do Fundo Monetário Internacional, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, e as Nações Unidas. Infelizmente, especialistas em política da China como eu estavam tão apegados à ideia do "iminente colapso da China" que poucos de nós acreditavam nessas previsões. Enquanto estávamos preocupados com os problemas da China, a economia dela mais que dobrou.

4 de fevereiro de 2015

VACAS MAGRAS À VISTA

A economia brasileira está sofrendo um baque como eu nunca tinha visto desde que me entendo por gente. Vamos ter pelo menos mais quatro anos perdidos. Que Deus use tudo isso para trazer o país ao arrependimento.

31 de janeiro de 2015

Lições da Minha Geração: Impérios e Teorias Econômicas

Vivi o bastante ver que um império econômico de uma empresa não dura para sempre. A Microsoft se ergueu e se tornou um imenso monopólio imbatível de software, mas olhei novamente e vi dois gigantes se levantarem rapidamente e tomar o lugar dela: Google e Facebook. Um terceiro também se levantou, mas este não era tão novo quanto os dois primeiros: a Apple — uma azarona, vinha sempre em segundo lugar no encalço da Microsoft, mas de uma hora para outra passou a valer mais que ela.

O mesmo se pode dizer de impérios nacionais: não duram para sempre. Assim como um certo dia, perto da virada do século 19 para o 20, os Estados Unidos sobrepujaram o poderoso império britânico, outro dia, no final de 2014, a China ultrapassou o poderoso império americano (veja aqui).

A ascensão chinesa é em vários aspectos uma história singular. Não faz muito tempo, a China foi invadida por uma pequena ilha chamada Japão, durante a Segunda Grande Guerra. Na sequência sofreu um levante armado interno que fez dela uma economia estatizada, o que engrossou a multidão de camponeses na miséria. Mas ainda adviria outra reviravolta, de três ou quatro décadas para cá, ela se levantou como alguém que acorda inesperadamente do coma. Com um crescimento econômico vertiginoso, em poucos anos se tornou a maior economia do mundo.

E não pára por aí. O modo como os chineses se ergueram é também ímpar, porque é inédito na história humana. Nenhuma nação alcançou desenvolvimento dessa maneira, acho curioso como não ouço ninguém falar sobre isso. Há ao menos cinco razões para tanto: não há liberdades democráticas, o governo é muito corrupto, a economia está sob rígido controle estatal, há larga frouxidão fiscal e a dívida chinesa é astronômica (algo em torno de 250% em relação ao PIB) — cinco fortíssimos motivos para detonar qualquer país (vide Brasil). Note que governos ditatoriais são extremamente corruptos, pois a manutenção no poder depende de uma cadeia de trocas espúrias. Mas pelo que ando lendo, o presidente Xi Jinping está tentando mudar isso por lá, o que seria mais um fato sui generis, já que ditadura é sinônimo quase certo de corrupção.

Ps. Não estou com isso defendendo ditadura, corrupção, frouxidão fiscal, sobreendivadamento governamental, supressão das liberdades civis, controle estatal da economia — longe de mim tal coisa.
Tenho a impressão que está se desvanecendo a cultura brasileira de chegar atrasado em compromissos.

27 de janeiro de 2015

Espere do seu filho o que você fez ao seu pai. (Tales de Mileto).

Tales de Mileto
Na Grécia Antiga, por volta do ano 500 aC, havia um sentimento de que as gerações nascentes estavam se tornando rebeldes, e por isso se degenerando. Tales de Mileto, ao dizer aquela célebre frase, talvez quisesse lembrar aos compatriotas gregos que eles próprios haviam de alguma forma se rebelado aos pais deles, e justamente esse comportamento é que deveria ser esperado da nova geração.

Não é de hoje que temos a impressão que as gerações posteriores à nossa estão se perdendo. Contudo, esses temores nem sempre são fundados -- nem sempre.

No Brasil, ao contrário do que pode se pensar, as gerações novas estão, ao que tudo indica, avançando. "Mas o que dizer do aumento do uso de drogas e dos índices de criminalidade?", alguém pode objetar. Em certo aspecto esse questionamento é procedente, porém esse não é o único movimento em andamento em nossos dias. Há outro.

Jovens brasileiros, muitos deles, estão abrindo os corações para a Verdade. Qual verdade? A única que importa. A de que a solução para os conflitos da vida não está no governo, nas ruas, nem no pensamento ocidental propagado em filmes e novelas, mas sim no entendimento de que Jesus é de fato o Filho de Deus. É fato que muitos dos que se dizem seguidores de Cristo não são realmente, todavia é igualmente verdade que outros tantos verdadeiramente estão se agarrando aos pés de Cristo com toda força do ser, e por consequência abandonando a velha vida e vivendo a nova. Algo semelhante está em marcha há algumas décadas na China e na Coreia do Sul. Geração após geração tem levantado a voz -- não para incitar rebeliões, mas para proclamar uma antiga verdade oriental: Não há vida fora de Deus em Cristo.

Já nas nações ricas do ocidente as novas gerações tem caminhado na direção diametralmente oposta. Ao contrário do que se deu em tempos não tão distantes quando lá fervilhava ardentemente o desejo de retornar às raízes da Mensagem de Cristo, hoje uma mudança entristecedora se apossou deles. Estão obstinados em cortar o papo "retrógrado" do passado. Agora são humanistas. Exaltam o ser humano como estando no centro de tudo. Alguns buscam se tornar cidadãos conscientes (como se isso fosse um fim em si mesmo), outros se juntam a movimentos pela liberalização sexual e pelo hedonismo. Não gostam da ideia de que cada um vai ter que prestar contas de si mesmo a Deus, e lacram os ouvidos quando alguém diz a eles para se arrepender e se voltar ao Criador. Não querem mais nada com Deus. Eles se tornaram senhores de si, rejeitando o senhorio de Cristo. Nesses lugares, de fato, a cada sucessão de jovens, mais distantes ficam, se perdendo paulatinamente, geração após geração.

25 de janeiro de 2015

Hino Nacional da África do Sul, Deslumbrante



Segundo a Wikipédia em português, a tradução é:

Deus abençoe a África
Que suas glórias sejam exaltadas

Ouça nossas preces
Deus nos abençoe, porque somos seus filhos

Deus, cuide de nossa nação
Acabe com nossos conflitos
Nos proteja, e proteja nossa nação
A nação da África do Sul, África do Sul

Dos nossos céus azuis
Das profundezas dos nossos mares
Sobre as grandes montanhas
Onde os sons se ecoem

Soa o chamado para nos unirmos
E juntos nos fortalecermos
Vamos viver e lutar pela liberdade
Na África da Sul a nossa terra.

17 de janeiro de 2015

Não há conhecimento acerca de Deus que passe à parte de Jesus. E não há conhecimento acerca de Cristo que passe à parte das Escrituras.

15 de janeiro de 2015

Uma das coisas que o envelhecer me fez compreender é que existe uma linha tênue entre a integridade e a corrupção. É preciso ter cuidado, a integridade meia-fase tende para a degeneração, e um abismo chama por outro. Estar disposto a abrir mão de regalias, direitos e razões é fundamental para se manter correto.