13 de abril de 2009

Arte da Humildade & Crítica


(...) Num congresso de estudantes colocaram-me para falar em penúltimo lugar, e o encerramento foi feito por um profissional do deboche. Ele simplesmente destruiu o meu discurso otimista anterior, dizendo que o Brasil jamais daria certo, de que estávamos condenados pelo gene do patrimonialismo português, que o fracasso estava no nosso sangue, e assim por diante. Para a minha grande surpresa, a platéia simplesmente adorou. Riam a valer, e no final aplaudiram de pé. Inacreditável para mim!

Se um grande intelectual prevê que o Brasil jamais dará certo, não precisamos nos esforçar. Pode-se justificar o nosso fracasso pessoal, nossa mediocridade individual, como sendo inevitável, é nosso destino. “Não preciso melhorar, a culpa não é minha, a culpa é do Brasil, a culpa é dos portugueses”.

Muitos de nossos intelectuais jogam para a platéia, curvando-se à força do mercado, um discurso de que jamais daremos certo, quando a função do intelectual seria justamente mostrar as soluções, mostrar o caminho, mostrar o que nós pobres mortais não vemos.

(...)

O jornalismo do deboche é um fenômeno mundial, atingiu até o New York Times. Se acabou acreditando que você é mais competente que Lula, FHC ou Bush, consulte um especialista.

O mundo não é tão simples nem tão ridículo quando lhe fizeram imaginar. Graças a Deus!

-- Stephen Kanitz em O Jornalismo do Deboche.

6 de abril de 2009

O Curioso Caso da B. Próclise

Esqueça tudo o que você tem lido sobre colocação pronominal e faça, por favor, o teste abaixo:

Assinale em cada série a alternativa que corresponde ao seu modo de falar mais natural e espontâneo:

1.a) Você pode me emprestar uma caneta?
b) Você pode emprestar-me uma caneta?
c) Você me pode emprestar uma caneta?

2.a) O trabalho tem me ocupado demais ultimamente.
b) O trabalho me tem ocupado demais ultimamente.

3.a) Me disseram que você parou de fumar, é verdade?
b) Disseram-me que você parou de fumar, é verdade?

4.a) Me ajuda aqui!
b) Ajuda-me aqui!

5.a) A festa se realizará no saguão da igreja.
b) A festa realizar-se-á no saguão da igreja.


Se você assinalou, em todos os casos, as alternativas com letra (a), parabéns: você é um(a) legítimo(a) falante do português brasileiro contemporâneo! E como todos os falantes do português brasileiro contemporâneo, você sabe, intuitivamente, que só existe uma única regra de colocação pronominal na nossa língua: a próclise ao verbo principal, isto é, o pronome colocado antes do verbo principal. Pronto, gente, acabou! Tá tudo resolvido! Vamos agora cuidar do que interessa, tentar pagar as contas do mês e levar a nossa vida em paz?

-- Retirado do artigo de Margos Bagno na revista Caros Amigos de Janeiro/2009